Iracema

19 abr

Livro: Iracema
Autor: José Alencar

Iracema faz parte de uma trilogia, junto com O Guarani e Ubirajara.

Conta a história de Martim e Iracema. Ele branco, de paz e ela índia, cabelos negros e lábios como mel. Se conheceram quando Martim estava caçando, perdido dos colegas e Iracema percebendo a movimentação estranha, acertou-lhe uma flecha. Como viu que ele não reagiu, decidiu prestar ajuda ao homem que ela havia machucado.

Durante a estadia de Martim na cabana de Araquém – pai de Iracema – foi tratado com o melhor da tribo. Mas ele resolveu ir embora e Iracema foi atrás dele para saber se alguém havia feito-lhe mal, para ir embora sem avisar. Martim viu que ela estava magoada e notou sua ingratidão, desculpando-se.

Martim quis ficar na tribo para amar Iracema, mas ela o alerta de que quem se relacionar com ela, morrerá, pois é filha de pajé. Com um beijo os dois se despediram. Ao sair da tribo Martim entra em guerra com Irapuã e mesmo que Iracema pedisse para que ele fugisse, ele não o fez. Poti, um amigo de Martim foi até a aldeia para libertá-lo. Iracema prometeu fidelidade a Martim. Mas para que ele fosse realmente salvo, teria que ser escondido numa cabana de baixo de uma pedra.

Na cabana Martim sonha que está abraçando Iracema, mas na verdade ela realmente o abraçava e quando acorda diz a ela: Só posso tê-la em sonho. E ela guardou o abraço real, o que já a tornava sua esposa.

Mesmo os dois se amando, Martim começou a sentir falta “de sua gente”, mas não queria afastar Iracema de sua terra. Iracema estava grávida e acreditava que Martim estava com saudades da namorada branca que deixou para trás. Mesmo que ele negace, ela não acreditava. Prometeu a ele que assim que o filho deles nascesse, ela o deixaria viver a vida que quisesse.

Enquanto Martim lutava com uns guerreiros que chegaram de navio, Iracema teve o filho sozinha. Estava triste e de tanto chorar acabou perdendo o leite que alimentaria a criança. E cada vez mais Iracema perdia o apetite e as forças, por causa da tristeza.

Quando Martim voltou do combate, Iracema só teve forças de levantar a criança e apresentá-la ao pai. Suas últimas palavras foram: que a enterrasse ao pé do coqueiro de que ela gostava. O lugar onde ela foi enterrada chamou-se Ceará.
Martim voltou para sua terra, junto com seu filho e quatro anos depois voltaram ao Ceará, para Martim implantar a fé cristã.

Anúncios

4 Respostas to “Iracema”

  1. Rober 19 de abril de 2011 às 7:25 pm #

    Gostei da história, mas eu tenho um problema com a narrativa desta época, muito enrolada! O período romântico nacional e tampouco o internacional me agrada muito por sua narrativa, mas o enredo é fascinante!

    grande abraço

  2. Bianca 29 de abril de 2011 às 11:03 pm #

    Adoreiii, muito boom !!

  3. Mara Lucia Ferreira 30 de abril de 2011 às 3:46 pm #

    A história é fantastica, gostaria de ler o livro.
    Acho que deve ser muito interessante.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Iracema « | iComentários - 19 de abril de 2011

    […] mais: Iracema « Esta entrada foi publicada em Sem categoria e marcada com a tag iracema. Adicione o link […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: